“Dois tipos de indústria chamam clientes de usuários: a das drogas ilegais e a de softwares.” – O Dilema das Redes

“Dois tipos de indústria chamam clientes de usuários: a das drogas ilegais e a de softwares.”  – O Dilema das Redes

O novo documentário viral da Netflix colhe depoimentos de ex-executivos e e acadêmicos do Vale do Silício e descreve sobre como o vício e o impacto negativo das redes sociais sobre as pessoas e as comunidades são fruto de estratégias criadas para manipular os usuários e, principalmente, mantê-los conectados.

A experiência digital em sites como Facebook, Google e Twitter é feita como isca para os usuários gastarem mais tempo na rede e os cinco principais pontos são:

  • “Se você não estiver pagando pelo produto – você é o produto”: quanto mais tempo o usuário gasta conectado às redes, mais informações sobre seu perfil, gostos e características de consumo ele expõe e, assim, esses dados seu recolhidos, organizados e vendidos para marcas que se dispõem a mostrarem seus produtos.
  • Ferramentas desenhadas para viciar e manipular: rolagem automática (feed sem fim), notificações chamam os usuários de volta para a rede e as curtidas e comentários, que estimulam os usuários dependentes.
  • Falsas recompensas: curtidas e comentários são dados como recompensas imediatas e geram impulsos artificiais de dopamina, neurotransmissor ligado ao bem estar.
  • Segurança x Insegurança: as críticas nas redes têm gerado uma explosão nos casos de depressão e ansiedade.
  • Fake news se espalham seis vezes mais rápido do que notícias verdadeiras: as fake news possuem alcance amplificado graças à paranoia de manter os usuários expostos a anúncios.

Algumas dicas para proteção são: desativar as notificações, não assista as recomendações de vídeos e conteúdos sem pensar, siga pessoas ou páginas que você não concorda, desconecte-se uma hora antes de dormir e valorize os seus cliques e o seu tempo.

E você, tem se protegido? Sabe como se comportar nas redes e ser saudável?

Curtiu o conteúdo? Deixe seu comentário!

Fonte: BBC

Por: Júlia Bittencourt

Júlia Bittencourt

%d blogueiros gostam disto: