Casa dos Ventos projeta investir R$ 4 bilhões em eólicas em PE

Usinas somam 600 MW de capacidade instalada, representando aproximadamente 30% da energia consumida no estado pernambucano

A Casa dos Ventos planeja investir R$ 4 bilhões em parques eólicos localizados no estado de Pernambuco. Executivos da companhia se reuniram na semana passada com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, para debater o potencial do estado para geração de energias renováveis e os diferenciais que o tornam capaz de captar novos aportes.

“Pernambuco é um dos Estados mais proativos no estímulo à geração de energias renováveis. Nossa intervenção aqui vai gerar uma capacidade de energia equivalente a 30% do consumo do estado. Nos parques em construção são mais de 4 mil empregos diretos em Garanhuns, Caetés e Araripina”, detalhou o presidente da Casa dos Ventos, Mário Araripe.

Segundo Araripe, o complexo eólico Caetés, no Agreste, terá capacidade prevista para atender 1,3 milhão de residências. Está dividido entre os municípios de Paranatama, Caetés e Pedra. O empreendimento será implantado em três etapas. A primeira fase será composta por sete parques – Santa Brígida I a VII – e tem seu início de operação comercial no segundo semestre deste ano. A segunda fase engloba os municípios de Venturosa, Pequeira e Capoeiras e é formada pelos parques Santo Expedito I a VIII, todos com início de operação previsto para o segundo semestre de 2016.

Com a entrada em operação comercial da terceira fase do complexo de parques eólicos, a região terá capacidade instalada para gerar 600 MW. Isto significa aproximadamente 30% de toda a energia consumida no estado. Já no Araripe, os parques da Casa dos Ventos serão capazes de fornecer energia para 2,8 milhões de domicílios e terão operações em Araripina, Ouricuri e Santa Filomena.

“Os investimentos têm uma repercussão grande na economia local. A Casa dos Ventos possui boa parte das suas operações em Pernambuco. Uma parcela significativa dos empregos e investimentos em infraestrutura da empresa estão aqui. Temos a vantagem competitiva para sermos um hub de fornecimento de produtos, peças e desenvolvimento tecnológico”, destacou o secretário-executivo de Energia da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (SDEC), Eduardo Azevedo.

Fonte: Canal da EnergiaLogo Pet 2