Realidade Aumentada

Introdução

A realidade aumentada é uma versão aprimorada e interativa de um ambiente real, obtida por meio de elementos visuais, sonoros e outros estímulos sensoriais digitais, utilizando tecnologia holográfica. A RA incorpora três recursos: uma combinação de mundos digitais e físicos, interações feitas em tempo real e identificação 3D exata de objetos virtuais e reais. A realidade aumentada oferece uma maneira melhor de criar, auxiliar e fornecer instruções de consumo ao sobrepor conteúdo digital em ambientes de trabalho reais. 

O desenvolvimento da Realidade Aumentada aconteceu em 1962, com o investigador Ivan Sutherland. Ele elaborou um capacete de visão ótica direta para visualizar objetos 3D no ambiente real. Mas, oficialmente, o termo só foi idealizado em 1992 pelo cientista Thomas P. Caudell, durante o desenvolvimento de um dos aviões mais famosos do mundo: o Boeing 747. 

Um ponto de atenção aqui é que, embora também seja chamada de realidade expandida ou ampliada, a RA não é a mesma coisa que a realidade virtual.

Diferenças entre Realidade Aumentada e Realidade Virtual

Ambas refletem tecnologias que se baseiam em processos computacionais semelhantes e têm o mesmo objetivo: servir o usuário com uma experiência melhorada ou enriquecida. Ambas permitem experiências únicas, esperadas e divertidas, em que o usuário pode controlar a sua própria realidade, alcançando camadas profundas de interação digital. No entanto, existem muitas outras propriedades que as diferenciam, tornando-as, ao mesmo tempo, realidades com um histórico completamente diferente. Por exemplo, a realidade aumentada procura melhorar as experiências reais através da adição de componentes virtuais que expandem a informação existente, enquanto a realidade virtual se baseia na criação do seu próprio mundo, que é completamente gerado artificialmente por um computador. Além disso, os modos de acesso a cada uma delas são muito diferentes: enquanto a realidade virtual tem dispositivos de grandes dimensões que isolam o utilizador da realidade, a realidade aumentada tem dispositivos mais pequenos e leves, como smartphones ou tablets, com os quais é fácil interagir.

Como Funciona?

O dispositivo com câmera habilitado para RA, como óculos inteligentes, um tablet ou um smartphone, analisa um feed de vídeo e identifica um objeto ou o ambiente em torno do usuário, como a peça de uma máquina ou o layout de um depósito. 

Um gêmeo digital – uma réplica 3D digital do objeto na nuvem – conecta os ambientes real e virtual. As informações dos objetos físico e digital são coletadas. Em seguida, o dispositivo de realidade aumentada faz o download das informações sobre o objeto a partir da nuvem e sobrepõe a ele as informações digitais, com marcadores ou rastreadores como GPS, acelerômetros, sensores barométricos e de orientação e muito mais. Isso cria uma interface 3D, parte real, parte digital. 

Graças aos dados em tempo real que vêm dos produtos, o usuário pode interagir com o objeto ou o ambiente movendo-se e enviando comandos para a nuvem pela tela sensível ao toque, por voz ou com gestos. 

Devido ao uso de câmeras, sensores e outros componentes eletrônicos que permitem que os dispositivos capturem e interpretem o ambiente ao seu redor, a realidade aumentada insere camadas de dados e de conteúdo digital no mundo real. Isso, por sua vez, possibilita a interação com o ambiente virtual através do mundo real.

O usuário, por meio do seu dispositivo ou de um gadget e de um aplicativo que exerça a tecnologia de RA, consegue interagir com o ambiente virtual proposto pelo aplicativo. Assim, quando ele aponta o dispositivo para um objeto ou para um ambiente específico, o aplicativo pode usar a câmera para captar imagens do local e, em seguida, sobrepor informações virtuais relevantes.

Isso pode ser feito de várias maneiras, como por meio da exibição de textos, imagens ou até mesmo de modelos 3D sobre o mundo real, auxiliando nas mais diversas tarefas, profissionais ou não, do cotidiano.

Aplicações

Um dos exemplos mais famosos da realidade aumentada são os jogos. A ideia é fazer com que dentro de um aplicativo seja possível simular atividades virtuais dentro do cenário real em que a câmera está apontada. O Pokémon Go é o mais conhecido deles, realizando a interação entre um personagem real e virtual. Ao se mexer pelo mundo real, os jogadores encontram Pokémons em qualquer lugar que estejam. Para isso, o jogo capta as informações de localização e realiza a inserção do personagem virtual no ambiente.


Outra aplicação bastante importante dessa tecnologia é a melhoria dos processos na medicina. Com a RA, é possível realizar cirurgias remotas. Ou seja, o médico opera mesmo a quilômetros de distância. Tudo com precisão, porque é possível visualizar as imagens do organismo do paciente de forma detalhada.

Conclusão e Perspectivas Futuras

À medida que a tecnologia continua a evoluir, a realidade aumentada está se tornando cada vez mais integrada ao nosso dia a dia. Com o avanço das capacidades dos dispositivos móveis e o desenvolvimento de novas técnicas de sensoriamento e processamento de dados, podemos esperar que a realidade aumentada se torne ainda mais sofisticada. As aplicações da RA estão se expandindo para uma variedade de setores, incluindo manufatura, varejo, educação, entretenimento e saúde. A capacidade de sobrepor informações digitais ao mundo real oferece diversas oportunidades para melhorar a forma como trabalhamos, aprendemos e interagimos com o ambiente ao nosso redor. No futuro, podemos esperar ver a realidade aumentada desempenhando um papel ainda maior na transformação digital de nossas vidas, proporcionando experiências mais imersivas e personalizadas.