Foodtech – a forma de produzir e consumir os alimentos mudou

Ao falar de uma revolução Foodtech, visando uma parceria entre a tecnologia e os alimentos podemos pensar talvez em comidas 3D, bebidas em cápsulas ou carne de laboratório. Porém, pensando em nosso cotidiano, podemos perceber também essa parceria de outras formas. 

Quando você está em casa com aquela preguiça de cozinhar e resolve usar o seu aplicativo de entrega para pedir uma comida ou quando compartilha  o vídeo de sua receita favorita em suas redes sociais, você está fazendo uso do conceito de Foodtech. Tudo, desde produção de alimentos, embalagens, entrega e compras são ramos da tecnologia de alimentos, o que tornou nossa vida muito mais rápida e eficiente.

A tecnologia de alimentos existe a muito tempo, conservar alimentos para preservá-los é um exemplo. A tecnologia evoluiu e se expandiu para diversos setores. O termo foodtech se aplica quando a tecnologia é utilizada para aprimorar a agricultura, a produção, a estrutura de fornecimento e o canal de distribuição de alimentos ao redor do mundo. Ou seja, é a junção de recursos tecnológicos que transformam a maneira de produzir, vender, consumir e servir todos os tipos de alimentos, aumentando assim a eficiência e a qualidade dos produtos.

FOOD SERVICE

Hoje em dia as pessoas querem comer boas refeições que podem ser preparadas e entregues rapidamente, por isso a tecnologia de alimentos é mais amplamente associada aos serviços de entrega por meio de sites e aplicativos. Uma variedade de serviços de entrega está disponível para os consumidores, para conseguir o que eles querem, desde ingredientes até refeições prontas com apenas um clique.

Empresas como a DHL Express, líder no transporte expresso internacional, e a EHang, líder mundial de veículos aéreos inteligentes, estabeleceram uma parceria estratégica de entregas com drones nas áreas urbanas chinesas. Já no Brasil o movimento ainda está em fase inicial, mas já temos empresas mobilizadas e com um alto faturamento. A principal foodservice brasileira é a iFood, que esperando acelerar o processo de entrega para os clientes, em setembro de 2019, anunciou um novo projeto de entregas por drone na cidade de Campinas, em parceria com a SpeedBird Aero, especialista no desenvolvimento de entregas por drones.

Leia também: O futuro é hoje: carros autônomos começarão a ser usados para entregas

Desde pedidos por aplicativos até a entregas de alimentos por veículos não tripulados, houve uma ampla gama de inovações na indústria. Agora qual o próximo passo para a Foodtech?

SMART FARMS 

A tecnologia de alimentos tem sido focada principalmente em serviços de entrega e culinária, mas agora a tecnologia vem sendo amplamente aplicada na produção. 

As chamadas Smart Farms utilizam da tecnologia para controlar e monitorar o ambiente para o cultivo da plantação remotamente. Depois de instalar o terminal Smart Farm, os agricultores podem usar seus smartphones para à distância regular, por exemplo, as portas de uma estufa, bem como a temperatura e  umidade. Os agricultores também podem visualizar suas fazendas em seus celulares e receber informações em casos de emergência.

A medida que a tecnologia aplicada a nossa alimentação se tornar mais predominante em nosso cotidiano, será emocionante ver como muito dessa ciência se desenvolverá e poderá encarar o desafio de estabelecer soluções para um futuro em que toda a população seja alimentada de maneira sustentável. 

Curte o conteúdo do EI? Compartilhe com seus amigos e deixe sua opinião nos comentários.

Por Juliana Quinelato.