Setor elétrico acumula um prejuízo de R$ 105 bilhões

Análise foi feita pelo vice-presidente da Abraceel, Paulo Cezar Tavares, durante o lançamento do COBEE 2015

Crédito: Arquivo

Apesar de não ter havido corte físico, a crise do setor elétrico brasileiro já contabiliza um prejuízo duas vezes maior que o ocasionado pelo racionamento de 2001. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), o racionamento custou RS$ 35 bilhões, enquanto cálculos estimam que desde a publicação da Medida Provisória (MP) 579 em 2012 já foi perdido o montante de R$ 105 bilhões, isso sem contar os R$ 10 bilhões reivindicados pela transmissão. A análise foi feita pelo vice-presidente da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Paulo Cezar Tavares, durante encontro promovido pela Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ABESCO).

A mesa-redonda, que reuniu mais de 50 profissionais do setor elétrico, aconteceu na última terça-feira (4/11) como parte do evento de lançamento do Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) de 2015, e também contou com a participação do ex-conselheiro da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e atual diretor de engenharia da Queiroz Galvão Energia, Luciano Freire.

“O que vemos hoje é um pouco do que já havia sido discutido e sinalizado no COBEE 2014. Vamos ter preço de energia que nunca sonhamos neste país: quem imaginaria ver a tarifa em Rondônia subindo 50% sem nem ainda faltar energia física? Hoje o cidadão nem teve chance de reduzir o consumo e já está pagando uma multa que, se olhar direito, é o dobro da época do racionamento. O impacto disso na indústria é muito grande. O consumo industrial caiu em 5% porque é a parcela do mercado que responde ao sinal de preço. E isso é uma oportunidade imensa para a eficiência energética: os preços explodiram e é necessário reduzir a demanda”, explicou Tavares.
O presidente da ABESCO, Rodrigo Aguiar, ainda destacou o relatório do TCU, divulgado em outubro, que sinaliza que o desconto de 20% na conta de luz, dado pelo governo federal com a MP 579, será anulado até o fim de 2015 por conta do repasse de R$ 61 bilhões às tarifas. “Essa situação impacta diretamente o custo, produtividade e competitividade das indústrias e empresas nacionais. Afinal serão cinco anos, no mínimo, com aumento entre 10% e 15% acima da inflação.”

Com base nesse cenário favorável para a eficiência energética, Luciano Freire falou sobre a tendência do setor com a criação de uma nova modalidade de ESCOs (Energy Service Companies), as Smart ESCOs, a Service ou SEaaS. “O objetivo é que as ESCOs evoluam para serem verdadeiras prestadoras de serviços, unindo os conceitos de casas e cidades inteligentes e a internet das coisas, em inúmeros objetos que passam a produzir informação. E, a partir da análise intensa dessa quantidade enorme de informações, tirar o que realmente interessa, de tal forma que seja possível uma série de ações no sentido de tornar eficiente. A proposta é que a ESCO avance para prover serviços inteligentes e não seja apenas uma instaladora de produtos e equipamentos eficientes”, finalizou Freire.

O 12º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE) e ExpoEficiência acontecerá em 25 e 26 de agosto de 2015 em São Paulo e tem como expectativa de público mais de mil pessoas e 53 expositores. “Para esse ano teremos como foco a ampliação da participação da indústria, que é um importante elo na cadeia de eficiência energética”, detalhou o diretor comercial da Ânggulo Comunicação, empresa responsável pela organização do evento, Adriano Pegorelli.

Fonte: Jornal da Energia

logopet