Zimmermann defende construção de usina-plataforma

Conceito será aplicado em hidrelétricas do Complexo Tapajós, cujo leilão está previsto para 2011 e entrada em operação para 2016

Para evitar os grandes impactos ambientais em regiões de florestas nativas, como a Amazônia, por exemplo, o Brasil produzirá energia através de usina-plataforma. O conceito consiste na construção da usina e no fechamento da mata em volta, não permitindo a construção de cidades, estradas e outras obras de infraestrutura que vão causar desmatamento na região.

De acordo com o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, após a conclusão do empreendimento, seriam necessários apenas operadores e pessoal de manutenção que eventualmente irão à usina. “É uma forma de o Brasil explorar uma riqueza que tem na Amazônia e, ao mesmo tempo, evitar uma devastação na região”.

Este conceito de usina-plataforma será aplicado no Complexo Tapajós. Segundo Zimmermann, a soma destas hidrelétricas pode chegar a 1/4 da usina de Itaipu e a área inundada seria de de apenas 1.900 quilômetros quadrados para uma área total de 200.000 quilômetros quadrados. A ideia, ainda de acordo com o secretário, é realizar o primeiro leilão para essas usinas, que serão construídas na Bacia do Tapajós, no Amazonas e no Pará, em 2011. A entrada em operação está prevista para 2016.

Fonte:Canal Energia