As vantagens da robótica educacional

A robótica vem crescendo exponencialmente nos últimos anos e, além de impactar a indústria, o comércio e a economia, está mudando a forma como as crianças aprendem. À medida que as escolas se adaptam à transformação digital, a tecnologia está cada vez mais presente na sala de aula, o que leva ao desenvolvimento de novos métodos de ensino. Um deles é a robótica educacional, que pode transformar o processo de aprendizagem, tornando as aulas mais divertidas e atrativas.

O que é a robótica educacional?

A robótica educacional é um método de aprendizagem que se concentra na pesquisa, descoberta e construção de uma máquina a partir dos conhecimentos adquiridos, permitindo que o robô seja capaz de receber comandos e executar determinadas tarefas.

Durante o processo de construção, os estudantes compreendem a importância de cada parte do robô, incluindo os motores, sensores e mecanismos que possibilitam a execução dos comandos dados.

O uso da tecnologia na aprendizagem

Desde o final do século XX, a humanidade vem sendo influenciada pela internet e pela consequente digitalização, o que também modifica o processo de aprendizagem. Dessa forma, as novas gerações necessitam de dinâmicas diferenciadas para a construção do conhecimento, uma vez que o acesso à informação é mais fácil, sendo necessária uma simples pesquisa no Google.

Apesar dessa realidade, muitas escolas permanecem utilizando metodologias tradicionais, criadas em um tempo sem computadores, smartphones e robôs. O formato passivo desses métodos acaba tornando o processo de aprendizagem menos atrativo e maçante para uma grande parte dos alunos.

Com isso, torna-se necessária a adição da tecnologia no processo de ensino, servindo como facilitadora que contribui com a aprendizagem de modo ativo, o que favorece os estudantes.

Objetivos da robótica educacional

A robótica educacional tem como principal objetivo desenvolver a proatividade e fazer com que os alunos assumam a responsabilidade por seu processo de aprendizado. Isso faz com que os estudantes sejam protagonistas na construção de seus conhecimentos. Além disso, outros objetivos são citados abaixo:

  • Facilitar o aprendizado de disciplinas como física e matemática;
  • Fazer com que as aulas se tornem mais dinâmicas e divertidas;
  • Proporcionar uma interação maior entre educadores e alunos;
  • Evidenciar as conexões entre as disciplinas e suas aplicações no cotidiano;
  • Melhorar o espírito crítico e a resolução de problemas através de novas ferramentas.

Como a robótica pode auxiliar no processo de aprendizagem?

Em uma escola existem diversos perfis de aprendizagem, dessa forma, a diversificação dos métodos de ensino torna-se necessária, a fim de potencializar o aproveitamento de todos os alunos. O modelo tradicional de ensino não possui espaço para essa flexibilidade, uma vez que a transmissão de conhecimento é feita apenas pelo professor, desestimulando que o aluno compartilhe suas ideias ou tome a iniciativa.

Por outro lado, a robótica educacional adota uma visão mais ampla e diversa, englobando diferentes perfis de aprendizagem. Isso acontece porque esse método se baseia em teorias como o construtivismo de Jean Piaget, o qual enxerga o estudante como construtor de seu conhecimento por meio de experiências e descobertas. 

Na década de 1980, o matemático americano Seymour Papert foi o primeiro a inventar um robô dedicado ao processo de ensino. O cientista trabalhou com Piaget na Universidade de Genebra, onde teve contato com o construtivismo. Influenciado por essa perspectiva, ele formulou o construcionismo, o qual acrescenta à educação a necessidade de ações concretas, culminando no uso da robótica no processo educativo.

O que se estuda em robótica educacional?

A robótica educacional emprega uma abordagem multidisciplinar, incluindo matérias fora do campo de Exatas, uma vez que esse método é empregado como parte da solução de problemas em qualquer disciplina.

A unidade de robótica é formada a partir de quatro etapas e sistemas:

  • Programação: realizada normalmente com um computador;
  • Unidade de controle: exige o uso de um processador;
  • Parte elétrica: formada por motores e sensores;
  • Parte mecânica: composta por componentes mecânicos, como as engrenagens.

As principais disciplinas desenvolvidas estão relacionadas ao campo da matemática, física, elétrica, eletrônica, mecânica e programação.

Desafios para sua implementação

Embora especialistas estejam otimistas em relação ao uso de tecnologias na educação, ainda há dificuldades na flexibilização e dinamização do sistema educacional para a implementação da robótica nas escolas. Além disso, existem pesquisas que apontam para o esvaziamento na busca de alunos pelas áreas das ciências e tecnologia. Essa perspectiva é ainda pior quando é levada em conta a percepção de que a robótica é difícil e não convidativa para a maioria dos alunos.

Ainda que existam ações isoladas no setor público de incentivo ao uso da robótica na educação e escolas privadas tenham buscado, na última década, ampliar a utilização de tecnologias na educação formal, a maioria das iniciativas envolvendo a robótica não está integrada às aulas regulares do currículo, ou seja, geralmente são programas fora do horário de aula do aluno.

Vantagens da robótica educacional

Como dito anteriormente, a robótica educacional pode contribuir para o aprendizado em diversos campos do conhecimento, principalmente na área de Exatas. Abaixo serão citadas algumas vantagens. 

  • Estimula o desenvolvimento do raciocínio: o pensamento lógico se beneficia de uma abordagem prática, a qual é uma premissa da robótica educacional. Dessa forma, existe um estímulo ao raciocínio, uma vez que o aluno precisa identificar o melhor caminho para solucionar um problema;
  • Estimula a criatividade: a robótica aplicada ao processo de ensino adiciona repertório, proporcionando novas experiências que estimulam a criatividade;
  • Torna a aprendizagem mais atrativa: a robótica incentiva um ambiente mais ativo e proporciona novas experiências que valorizam o processo de aprendizagem; 
  • Incentiva o trabalho em equipe: embora os alunos tenham funções individuais, o resultado é dependente de todos os integrantes do grupo. Dessa forma, os estudantes aprendem a trabalhar de maneira coordenada e desenvolvem habilidades de comunicação.

LinusBot: exemplo da robótica aplicada à educação

Um exemplo da robótica aplicada à educação é o LinusBot, projeto desenvolvido pelo PET Elétrica UFJF. Seu objetivo é que os calouros de Engenharia Elétrica montem um robô seguidor de linha, ou seja, um carrinho que, através de sensores infravermelhos, consegue identificar uma faixa preta na pista branca, seguindo o percurso.

No desenvolvimento do projeto, os membros do PET ministram um total de seis aulas, abordando conteúdos sobre os componentes e materiais usados no carrinho. No final, é realizada uma competição, na qual as equipes com os participantes devem montar o carrinho utilizando os conhecimentos adquiridos durante as aulas.

Dessa forma, o Linus promove a integração entre os calouros e favorece o desenvolvimento de habilidades transversais, como liderança, proatividade e trabalho em equipe.

Conclusão

Com o surgimento de novas tecnologias na sociedade, o processo educacional necessita de novas metodologias de ensino para atender a demanda dos estudantes. Nesse contexto, surge a robótica educacional, que potencializa o aprendizado e a multidisciplinaridade, favorecendo um maior envolvimento por parte dos alunos e permitindo que os professores tornem as aulas mais dinâmicas e divertidas.