Cientistas do MIT criaram máquina que pode manipular os nossos sonhos

Dizem que Thomas Edison dormia as suas sestas com bolas de aço na mão. Quando adormecia, a sua mão relaxava e as bolas caíam, fazendo-o acordar. Desta forma, o inventor achava-se capaz de capturar as ideias geradas através dos seus sonhos.

Parece apenas a rotina bizarra de um “cientista maluco”, mas é uma técnica que os pesquisadores do MIT estão a tentar recriar, embora com um pouco mais de rigor científico. O trabalho originou um dispositivo batizado de “Dormio” que induz o período transitório entre o estado de vigília e o sono.

Essa fase, conhecida como hipnagogia, é uma “fragmentação natural da consciência”, na qual não estamos nem totalmente conscientes nem totalmente inconscientes. Este período é difícil de definir: enquanto que algumas pessoas podem manter conversas, outras experimentam alucinações visuais e auditivas. Muitos cientistas acreditam que é durante a hipnagogia que somos mais criativos.

Para desencadear este estágio, a equipe de cientistas liderada por Adam Horowitz criou uma máquina que manipula literalmente o conteúdo dos sonhos.

“A hipnagogia é caracterizada pela imprevisibilidade fenomenológica, percepção distorcida do espaço e do tempo, perda do sentido do eu e associação espontânea de ideias fluidas”, afirmam os cientistas no site do MIT Media Lab. “Usando o Dormio, fomos capazes de influenciar, extrair informações e estender os micro-sonhos hipnagógicos pela primeira vez”.

Durante os testes, os participantes usaram uma luva com uma tecnologia de medição muito sensível para determinar esse estado transicional através de biossinais como, por exemplo, a frequência cardíaca ou o tónus muscular.

Quando o participante estava prestes a deixar a hipnagogia e a fazer a transição para o sono profundo, um robô ao lado da cama foi acionado para emitir uma mensagem e faze-lo voltar ao estado de sonho. Quando os participantes estavam suspensos nesse estado hipnagógico, o áudio perguntava o que estavam pensando.

“Descobrimos que todos os indivíduos sonhavam sobre os temas escolhidos pelos pesquisadores antes do sono e que o uso ativo da hipnagogia com o Dormio pode aumentar a criatividade humana medida pela flexibilidade, fluência, elaboração e originalidade do pensamento”, concluíram.

Parece assustador mas os cientistas esperam tornar esta tecnologia barata e acessível, permitindo que todos possam aumentar a sua criatividade explorando este estado hipnagógico.

Fonte:Engenharia é

http://engenhariae.com.brlogo_pet2