Empresas de petróleo e gás gastam US$ 50 bilhões em projetos que não atendem ao acordo climático de Paris

As empresas de petróleo de todo o mundo prometeram cumprir as metas estabelecidas pelo histórico acordo climático de Paris, mas um novo relatório de pesquisa mostra que eles não estão fazendo mais pela causa do que prestar serviços de boca a boca.

Na verdade, eles estão investindo bilhões de dólares no ambiente atual para desenvolver novos suprimentos de petróleo e gás, sem levar em conta o mundo de baixo carbono para o qual estamos nos dirigindo.

Um novo estudo da Carbon Tracker, o think tank financeiro sem fins lucrativos, descobriu que os bilhões de dólares que a indústria de petróleo e gás está gastando em novos projetos não se alinham aos esforços para impedir que o planeta suba abaixo de 2 graus Celsius.

“Todas as grandes petrolíferas estão apostando fortemente contra um mundo de 1,5ºC e investindo em projetos contrários aos objetivos de Paris”, escreveu Andrew Grant, analista sênior de petróleo e gás e autor do relatório. “Os investidores devem desafiar os gastos das empresas na produção de novos combustíveis fósseis. A melhor maneira de preservar o valor para os acionistas na transição e alinhar-se às metas de mudança climática será focar em projetos de baixo custo que proporcionem os maiores retornos”.

De acordo com a Carbon Tracker desde 2018, as empresas de petróleo e gás aprovaram US$ 50 bilhões em investimentos, com a maioria minando as metas climáticas. Nenhuma das principais empresas de petróleo e gás está investindo para apoiar as metas estabelecidas no acordo de Paris.

Esses projetos incluem o projeto Aspen de US$ 2,6 bilhões da ExxonMobil no Canadá, que o grupo disse ser o primeiro projeto de areias petrolíferas greenfield em cinco anos. Os preços do petróleo terão que ser superiores a US$ 80 por barril para a ExxonMobil obter um retorno de 15% em seu esforço, disse a Carbon Tracker.

O grupo também apontou o projeto de gás natural liquefeito de US$ 13 bilhões da Shell também no Canadá, BP, Chevron, ExxonMobil e projeto de petróleo em águas profundas ACG de US$ 4,3 bilhões da Equinor localizado no Azerbaijão e o projeto de petróleo em águas profundas Zinia 2 de US$ 1,3 bilhões da BP, ExxonMobil, Total e Equinor em Angola.

Os investidores também estão em risco

“ExxonMobil, Chevron, Shell, BP, Total, ENI e ConocoPhillips, com a Equinor, gastaram pelo menos 30% de seu investimento em 2018 em projetos inconsistentes com um mundo de 1,6 ºC”, escreveu Carbon Tracker. “O relatório constatou que os projetos já sancionados pela indústria de petróleo e gás levarão o mundo além de um caminho de aquecimento de 1,5ºC.”

Fora do impacto ambiental, esses projetos colocam seus investidores em risco. A Carbon Tracker projeta que as empresas de petróleo e gás correm o risco de desperdiçar US$ 2,2 trilhões até 2030, com base nas decisões de investimento que se baseiam nas políticas de emissões atuais, e não nas de baixo carbono.

O grupo disse que a ExxonMobil tem o maior risco de ativos ociosos, com mais de 90% de seus gastos potenciais de 2019 a 2030 em novos projetos fora do caminho de 1,6 graus Celsius. Na Shell, a Carbon Tracker disse que 70% de seus ativos estão em risco, enquanto 67% dos ativos da Total podem ser perdidos. A Chevron corre um risco de 60%, enquanto o risco da BP é de 57% e o ENI tem um risco de 55%.

Curte o conteúdo do Energia Inteligente? Compartilhe com os amigos e deixe sua opinião nos comentários.

Fonte: Engenharia É