Entrevista: Vésper Energia Solar

A Vésper Energia Solar é uma empresa que tem como missão levar economia e energia limpa para o maior número de pessoas possível. Com uma equipe responsável e focada no cliente, cuidam de todo o processo, desde o projeto até a instalação e monitoramento. Foi fundada por dois membros egressos do PET Elétrica UFJF, Mirele Kollarz e Bruno Henrique dos Santos.

Bruno teve experiências com a geração de energia solar já na graduação através de uma empresa júnior, e desde então fez outros cursos e trabalhou em empresas na mesma área. Mirele, por sua vez, não teve tanto contato durante a graduação: “Tanto em meus estágios quanto primeiro emprego não cheguei a atuar diretamente na área de Engenharia Elétrica, mas foram experiências fundamentais para chegar onde estou hoje. O PET teve total relevância no sentido de organização de projetos, interdisciplinaridade, liderança, comunicação e facilidade de aprendizado.

Como sempre se relacionaram profissionalmente muito bem no PET e conheciam as qualidades um do outro, decidiram fundar a empresa juntos. No início parecia complicado, já que os clientes desejam saber o feedback de trabalhos anteriores para confiarem nos resultados do serviço. Apesar dessa dificuldade no começo,  hoje a Vésper vem realizando diversas instalações até mesmo para grandes empresas, e seu trabalho vem crescendo exponencialmente.

  •  O Brasil possui uma das melhores condições no mundo para geração de energia solar, porém pouco desse potencial é aproveitado. Do total da matriz energética brasileira, menos de 0,75% é produzido através sistemas solares fotovoltaicos. Entretanto, sabemos que esses números estão aumentando de forma exponencial nos últimos anos, como vocês enxergam essa mudança no atual mercado energético  brasileiro?

Em questão de produção de energia através da energia solar fotovoltaica, o Brasil começou muito depois de outros países, como Alemanha, Estados Unidos, Canadá e China. Somente desde 2012 através da resolução 482 os brasileiros puderam começar a ter geração distribuída. Estamos tendo um crescimento exponencial principalmente devido aos custos dos equipamentos, que diminuíram muito de 2 anos para cá. Em questões de mudanças em regulamentação, estamos passando por uma revisão da 482, mas que já estava prevista em 2012. Hoje temos 1% da geração com fotovoltaico, mas a ideia da revisão é estabelecer alguns marcos em relação a tarifas para quando chegarmos a, por exemplo, 5%, 10%, 15%.

  •  Além do impacto no mercado de energia, quais outros impactos a instalação de um sistema fotovoltaico  pode gerar em âmbito social e ambiental?

A Energia Solar Fotovoltaica impacta em muitos setores. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, até 2018 foram criados aproximadamente mais 100.000 novos postos de trabalho diretos na área. Além disso, movimenta a economia do país com os investimentos tanto privado quanto público. E por fim, na parte ambiental, ela é classificada como renovável não porque não polui o ambiente, mas porque polui menos. Precisamos aproveitar a abundância de irradiação disponível na terra.

  •  Quais são os desafios encontrados pela Vésper atualmente em relação ao mercado de geração solar e quais os planos da empresa para o futuro?

Justamente devido à queda nos preços, e à atratividade do setor, muitas pessoas não preparadas estão ingressando no setor, muitas vezes até mesmo sem um CNPJ específico ou formação suficiente. Isso pode acarretar problemas técnicos sérios no futuro. Por isso as pessoas precisam saber o que estão contratando, seja em serviços, seja em equipamentos. Em relação à Vésper, estamos muito satisfeitos com o caminhar  da empresa. Já estamos trabalhando com funcionários CLT, temos estagiários na área e mais de 50 projetos concluídos. Nossos planos são expandir a empresa, para ter mais equipes trabalhando e também abrir filiais no futuro.